frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

NÁUFRAGA DA POESIA


Encontrei a poesia entre linhas
Sob o brilho intenso da lua,
Bordei com emoções tão minhas
Expostas em minha pele nua

Dormi navegando em mar de letras
E acordei náufraga da minha poesia
Amarrei as palavras em linhas negras
Amordacei a dor que em mim vivia

Mas a cor agora já não me interessa
Negras ou brancas, já não colorem os versos
Sem o brilho dessa lua, eu já não tenho pressa
É no escuro que agora eu conjugo os meus verbos


(NLC Poesias- Além das siglas)

2 comentários:

Cidália Ferreira disse...

Maravilhosa postagem.
Amei

Beijinhos

Bom fim de semana

Anna Lúcia Gadelha disse...

Narinha, já havia lindo sua maviosa poesia no Recanto das Letras. Relendo-a,fiquei mais encantada com a beleza nela contida.
Bravo
Beijos