frase

Palavra alguma vale o delírio de ser poema sem ser alívio...

quarta-feira, 15 de novembro de 2017

VERSOS EM VÃO



Escrevi em mim os meus desejos
Confessei-te os meus medos
Me despi pra teus espelhos

Quiz provar da sua pele e muito mais
Ser gemidos ouvindo os teus ais
Fazer-te barco ancorado no meu cais

Quiz provar o doce do teu corpo
Degustar todo o teu gosto
Me banhando no teu gozo

Há rascunhos em minhas mãos
De lembranças sem razão
Que ainda escrevo em vão

 NLC Poesias - Além das Siglas

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

AS CORES DO MEU EU





Acordei hoje pra um dia lindo
Sentindo-me um tanto diferente
Sem saber o que havia acontecido
Será que estou doente?


Algo estranho havia comigo
Olhei-me no espelho com espanto
Meu corpo estava todo colorido
Havia sobre mim um encanto

Os meus pés estavam amarelos
E o motivo eu bem entendia
Por não andarem por onde eu quero
Devem estar com anemia

E as pernas acreditem
Azul escuro, quase preto
Essas cores sem beleza
São as cores do meu medo

Nos joelhos Pintinhas alaranjadas
Que formavam um círculo perfeito
É que me ajoelho nas madrugadas
Quando sinto aperto no meu peito

As minhas mãos eram o mais esquisito
Eu tinha um dedo de cada cor
Tinha um arco-íris colorido
E onde tocava espantava a dor

Essas cores vivem hoje escondidas
Para não causarem estranhamento
Pois é essa  personalidade colorida
Que me salva desse mundo tão cinzento

NLC Poesias - Além das Siglas

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

LETRAS DE ILUSÃO






Tomada de medos e pavores,

Sozinha em meio à multidão

Morri com fome de amores.

As lágrimas guardei no coração...




Num chão onde não germinava nada,

Plantei tantas letras na ilusão 

De que um dia as palavras plantadas

Florescessem em meu coração...



Além das Siglas - NLC Poesias








terça-feira, 12 de setembro de 2017

ANOITECENDO


Quando eu anoitecer
Serei sol poente apenas
Vou em sonhos adormecer
E transformá-los em poemas.


E ao ficar enluarada
Poderei renascer das águas
E escreverei nas madrugadas
Novos versos de antigas mágoas


E quando a lua bem alta se encontrar
Sentarei num banco apenas observando
Que sua trajetória lá no céu há de cruzar
Com o sol, que outra vez estará despertando


NLC Poesias – Além das siglas

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

A MENINA QUE ROUBAVA SONHOS


Quando digo que nunca roubei
É uma mentira muito grande
Pois em todos os versos que versei
Há sonhos e ilusões constantes

Mas nunca os roubei de ninguém 
São apenas ideias e pensamentos
Fantasias e esperanças há também
A alimentar meus sentimentos

Já roubei dos pássaros as asas
E também roubei o vento
Dos poemas eu roubo palavras
Que transformo em sentimentos

Já roubei água da chuva
E no arco-íris a escondi
Mas guardo uma ideia maluca
Que eu ainda não escrevi

Já roubei tantos abraços
E também roubei besteiras 
Outro dia roubei uns passos
Mas foi só por brincadeira

Roubei até um infinito
Roubei sonhos de voar
Mas eu tive meu castigo
De nunca mais poder sonhar

PoesiasNLC _ Além das Siglas

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

VENTOS DE AGOSTO



Vem colocando desordem
Em dias fora de ordem
Trás contigo vendaval, redemoinho
E bagunça pensamentos devagarinho 

Nas asas do seu vento voa pipa, voa tudo
Mudança de estação, revolucionando o mundo,
Vem oferecendo flores ao invés de desgosto
Vem quebrando estereótipos esse mês de agosto

Vem derrubando certezas,
Apagando as dores, 
Dizimando tristezas
E reinventando as cores

E vem na dobra do ano, 
Na esquina do tempo,
Desfazendo desenganos
Trazendo carícias no vento

Mostrando que o tempo passa
Traga contigo esperança
Tirando dos poemas a mordaça
Fazendo um verso de mudança

NLC Poesias - Além das Siglas

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

NÁUFRAGA DA POESIA


Encontrei a poesia entre linhas
Sob o brilho intenso da lua,
Bordei com emoções tão minhas
Expostas em minha pele nua

Dormi navegando em mar de letras
E acordei náufraga da minha poesia
Amarrei as palavras em linhas negras
Amordacei a dor que em mim vivia

Mas a cor agora já não me interessa
Negras ou brancas, já não colorem os versos
Sem o brilho dessa lua, eu já não tenho pressa
É no escuro que agora eu conjugo os meus verbos


(NLC Poesias- Além das siglas)

domingo, 6 de agosto de 2017

PALAVRAS INVENTADAS



Diga-me umas palavras inventadas
Dessas que não foram ainda escritas
Faça-me sentir então renovada
Que eu esqueça todas as palavras já ditas (NLC)


Meu riso vê tua volta
Uma palavra nova clamando
Meus versos “silemudos”
Vão por ti “poesiando” ( Nil)


Teus versos “silemudos” adorei
E embarco nessa poética viagem
Um universo de “letrimas” inventarei
Criando um mundo de “poemagem” ( NLC)


“Poesiando” o viver
"Vi, ver" é meu intruso estar
Entre “Minutilêncios”
Contando gestos 
“Ex'ato” modo de “escritar” (Nill)


“Poesiando” então essa “realidura”
Novo dialeto que a gente cria
Que nos toque o ouvido com brandura
Doces e irreverentes versos dessa “libersia” ( NLC)



NLC Poesias e Nill Cruz

(significados)

Silemudos: silêncio mudo
Poesiando: tornando-se poesia
Letrimas: Letras e rimas
Poemagem: Poema imagem
Viver = Vi, Ver
Minutilêncios = Minutos e silêncios
Ex - Ato = Exato
Realidura: Realidade dura
Libersia: Liberta poesia



Neologismo é um fenômeno linguístico que consiste na criação de uma palavra ou expressão nova, ou na atribuição de um novo sentido a uma palavra já existente



Neologismo 

Beijo pouco, falo menos ainda. 
Mas invento palavras
que traduzem a ternura mais funda
E mais cotidiana.
inventei, por exemplo, o verbo teadorar.
Intransitivo
Teadoro, Teodora.

(Manel Bandeira) 

segunda-feira, 24 de julho de 2017

BÉLICA POESIA




Imagine que louco seria
Se todas as guerras violentas
Pudessem a partir desse dia
Em vez das armas sangrentas
Bombardear a terra de poesia...
Então versos novos se inventaria
Para abastecer esse bélico amor
Que do céu caindo explodira
Provocando um intenso clamor
Clemência!!! E o inimigo se renderia
E nunca mais haveria dor
Seria distribuído a todas as nações
Seriam armazenados como armas
Estoques de contaminados corações
De versos, rimas em doces palavras
Provocando perigosas inspirações
E tornassem a todos uma só raça...


NLC Poesias
 

quinta-feira, 20 de julho de 2017

MISTURA IMPERFEITA




Onde nasce o sentimento
Onde a dor é rarefeita
Se às vezes eu lamento
É que de barro eu fui feita
Mas por fora sou de ferro
Sou mistura imperfeita.
E nesse processo sempre erro
Onde em químicas reações
Sou mero material genético
Em constantes mutações....

Em dias de versos amargos
Exalo o meu ar nefasto
Desculpem-me os leitores
Se as palavras são tão duras
É porque as minhas dores
Inda sentem as suturas
Mas hão de cicatrizar
E belas frases hei de rimar.

NLC Poesias - Além das Silglas